À medida que as populações urbanas aumentam, as cidades precisam se apoiar em tecnologias para ajudar a servir os cidadãos

MELBOURNE - APR 14, 2014:Aerial view of Melbourne Victoria, Australia.Melbourne have population and employment growth with international investment in the city's industries and property market.

A população crescente, associado a rápida urbanização, impactará diretamente os grandes centros. De acordo com as estimativas globais, mais de 180 000 pessoas se mudam para as cidades todos os dias. Essa migração da população para áreas metropolitanas e urbanas resulta na redução de recursos e no aumento do congestionamento nas cidades.
Com mais de 70% da população mundial prevista para viver em áreas urbanas até 2050, as cidades precisam estar preparadas para suportar esta demanda. Como outras migrações históricas, essa mudança está causando uma onda de perturbação seguida por novos desafios e consequências sociais.
À medida que as populações das cidades aumentam, os desafios com o gerenciamento do crescimento é uma preocupação constante. Com esse crescimento, vem uma demanda por serviços urbanos e uma pressão sobre os recursos. Por sua vez, as cidades precisam de novas tecnologias para gerenciar melhor, por exemplo, as vias, os serviços públicos e o saneamento básico.
No topo da lista dos desafios estão os gastos extraordinários colocados na infraestrutura da cidade e os recursos financeiros limitados para lidar com eles. A explosão populacional também está forçando as cidades a enfrentarem maiores pressões competitivas por investimento, talento e oportunidades.
Assim como seus residentes experientes em tecnologia, as cidades estão escolhendo tecnologia inteligente para melhorar suas perspectivas
As cidades estão investindo em rodovias, pontes, edifícios, sistemas de água, transporte e iluminação pública inteligentes. A Navigant Research prevê que o mercado global de soluções e serviços para cidades inteligentes deve disparar de US$ 40,1 bilhões em 2017 para US$ 94,2 bilhões em 2026.
Grandes melhorias no desempenho e no preço de tecnologias como nuvem, capacidade de processamento, armazenamento e largura de banda deixaram um cenário fértil para projetos de cidades inteligentes.
Além disso, novas fontes promissoras de dados fora dos domínios urbanos tradicionais estão agora disponíveis para planejadores de cidades de organizações não governamentais, empresas locais e empresas de tecnologia.
Como um artista com uma tela gigante e uma paleta infinita, os atuais gestores têm uma abundância de dados à disposição para projetar cidades inteligentes que eram inimagináveis até recentemente.
Uma tempestade perfeita de tecnologias facilitadoras: diversas fontes de dados, infraestrutura sobrecarregada e pressões competitivas. As condições para a construção de cidades inteligentes nunca foram tão promissoras.
Serviços Públicos Inteligentes: Explorando a zeladoria urbana na inovação do setor público
O uso do termo “inteligência” no contexto da prestação de serviços públicos indica uma ambição do setor público de se tornar mais ágil e resiliente por meio da adoção da zeladoria urbana através de tecnologias emergentes.
Usando uma estrutura de inteligência existente, com base nas dimensões de eficiência, eficácia, transparência e colaboração, é possível observar as consequências da introdução de inovação baseada em IoT para serviços de zeladoria urbana.
Os resultados práticos mostram que a Internet das Coisas (IoT) e as Cidades Inteligentes (Smart Cities) permitem a inovação do setor público e que a inteligência é criada por meio da combinação de tecnologia, pessoas e organizações.
Basicamente, a realização da inteligência na inovação do setor público requer recursos de gestão suficientes e estratégias de tecnologia robustas, juntamente com uma vontade de explorar e adotar novas práticas de trabalho, em vez de simplesmente implementar tecnologias emergentes.
Considerado um paradigma tecnológico cada vez mais importante, a Internet das Coisas é considerada um capacitador-chave da inteligência do setor público. Dados de sistemas baseados em sensores podem ser integrados e sintetizados a zeladoria urbana, culminando na prestação de serviços mais responsivos e acessíveis aos cidadãos.
Desta forma, o setor público pode integrar a zeladoria urbana aos dispositivos IoT em uma vasta gama de serviços, como soluções de tráfego, gestão eficaz de resíduos, administração otimizada e saúde eficiente.
Ao aplicar uma estrutura de inteligência para a zeladoria urbana, que inclui aspectos de eficiência, eficácia, transparência e colaboração, as cidades são capazes de explorar como o processo de inovação digital afetou os aspectos internos e externos de várias organizações municipais.
Isso, por sua vez, permite refletir mais profundamente sobre as diferentes dimensões da inteligência e sua relevância para a inovação no setor público.
Compreendendo os desafios relacionados ao gerenciamento do crescimento
Embora as cidades tomem decisões sobre muitos aspectos da vida urbana, muitas vezes elas “lutam” para fornecer serviços a todos os segmentos da sociedade, especialmente quando estão envolvidas áreas grandes ou demograficamente diversas.
Projetar e implantar serviços públicos inovadores, a exemplo da zeladoria urbana, não é simplesmente uma questão de digitalizar os serviços existentes na cidade. Isso geralmente leva a um serviço digital projetado para a população em massa, com variações e necessidades exclusivas dos segmentos de cidadãos.
Para perceber o potencial de um serviço público inteligente, os cidadãos esperam a mesma utilidade e qualidade dos serviços digitais de que desfrutam no dia a dia. Considere, por exemplo, a geração Millenium, devido à força desta geração em impulsionar a vitalidade econômica regional direta e indiretamente.
Os cidadãos estão habituados a serviços digitais que apelam a interesses e necessidades específicos. Os governos locais estão sob pressão para demonstrar que podem identificar proativamente as necessidades dos clientes e demonstrar como essas necessidades estão sendo atendidas.
Por meio do engajamento cívico, pesquisas com usuários, pesquisa de mercado e análise de dados, as cidades têm oportunidades de aumentar sua compreensão dos segmentos de cidadãos, gerenciar os dados em segmentos como um ativo digital e agregar valor à inovação dos serviços públicos. Sendo que ainda há o desafio para os governos de coletarem a opinião do cidadão, anonimizando o dado de maneira que a administração pública saiba o que precisa fazer mas que o cidadao tenha privacidade, respeitando o que determina a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).
Sobre a Magna Sistemas
A MAGNASISTEMAS é uma empresa de serviços, IBM Platinum Business Partner, que oferece soluções inovadoras baseadas em diferentes tecnologias para apoiar seus clientes na resolução de desafios de negócios.
Acompanhe nosso blog e fique por dentro de como a MAGNASISTEMAS, através da sua unidade de negócios de Smart Solutions, potencializa os recursos do portifolio de SW IBM para promovemos experiências de uso intensivo de tecnologias para tornar os centros urbanos melhores locais para se viver.

Compartilhar notícia

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Fale com um especialista

ENCONTRE-NOS

Endereço
Rua Capitão Antônio Rosa, 376 – 12º andar – CEP: 01443-900 – São Paulo – SP